sábado, 27 de março de 2010

Rouquidão em Trinca Ferro: Que doença é essa!?

Por
Dr. Felipe Bath

Prezados leitores e amigos! Já estava com saudades de escrever para vocês. Hoje conversaremos sobre rouquidão. Neste último mês creio que foi o recorde absoluto de atendimentos a trincas roucos, sendo a grande maioria de Torneios. Isso me leva a algumas perguntas. Será que foi o tempo frio e chuvoso aqui no RJ?! Será que é próprio de Trinca Ferro isso?! Vamos começar esclarecendo alguns ´´mitos e lendas´´ de forma bem objetiva. Pivite nada tem haver com rouquidão. Pivite nada mais é do que um espessamento na ponta da língua do passaro em decorrência de uma alimentação inapropriada, mas isso será o assunto na nossa próxima coluna prometo.

domingo, 21 de março de 2010

Entrevista: Criatório Jequitibá


Amigos leitores, hoje apresento a vocês o Criatório Jequitibá www.criatoriojequitibatrincaferro.blogspot.com de propriedade do sr. Cláudio Alexandre Braz, que está situado na cidade Rio de Janeiro, RJ. O criador dedica-se a reprodução de Trinca-ferro com genética voltada para a fibra, com pássaros que se destacaram nos torneios regionais do estado de RJ.

Confiram abaixo a sua importante entrevista.

TFV - Há quanto tempo o Sr.  lida com Trinca-ferro?
CAB - Mais de 15 anos; porém cria-los em cativeiro só 4 anos

TFV - O que levou senhor a reproduzir o trinca-ferro?
CAB - A fibra com que estes pássaros se apresentam em torneios me faz admira-los; E a preservação da espécie.Ter um pássaro destes criado em sua casa é um grande orgulho.


TFV - Quais espécies senhor já reproduziu em ambiente domestico?
CAB - Trinca ferro e agora começando com coleiro pra fibra

TFV - O que você mais aprecia em um Trinca-ferro? 
CAB - Velocidade e fibra,não me importo com o tipo de canto.

TFV - Qual a maior dificuldade que senhor teve no início da criação do Trinca-ferro?
CAB - Morte dos filhotes sem duvida foi um grande desafio.

TFV - Você costuma visitar Torneios e Concursos de pássaros?
CAB - Torneios sim, mas concursos não.
 

TFV - Você costuma levar pássaros para competir?
CAB - Antigamente sim; Mas de 4 anos pra cá,  depois que coloquei meus trincas pra reprodução optei por não leva-los mais.

TFV - Como criador regularmente cadastrado no IBAMA, você tem enfrentado algum tipo de problema no relacionamento com a Autarquia?
CAB - Não

TFV - Qual o critério que você utiliza para selecionar pássaros que irão compor o seu plantel ? 
CAB - Ser registrados,os machos tem que ter participado de torneios,Uma boa velocidade e retomada de canto.As fêmeas tem que ter fibra e ser uma boa criadeira.

TFV - O seu sistema de reprodução é monogamia o poligamia?
CAB - Poligamia neste sistema consigo apurar a genética e assim melhorar cada vez mais o meu plantel. Crio em gaiolões  facilita o manejo.

TFV - Qual é a media de filhotes você costuma criar por ano?
CAB - Não crio muito media de 15 filhotes , mas pretendo aumentar.Já tenho ficado com filhotas e filhotes.
 
TFV - Descreva para nós como é a estrutura do seu criatório, no que diz respeito a compartimentos da criação, ou seja, às suas instalações propriamente ditas?
CAB - Tenho uma sala principal com capacidade pra 16 femeas que no momento só tem 5 e uma sala menor com capacidade pra 8 femeas que atualmente tenho 4 femeas nela.

TFV - O seu plantel é formado por quantas fêmeas e machos?
CAB - 2 galadores , 4 criadeiras, 4 filhotes que pretendo faze-los galadores ou pra torneios e 5 filhotas pra fazer criadeiras.

TFV - A sua criação é voltada exclusivamente ou não para Trinca-ferro fibra?
CAB - Trinca ferro fibra é a prioridade,porem estou começando a criação de coleiro também pra fibra.Já tenho fêmeas de coleiro começando a criar.

TFV - Quais as cuidados necessários que o criador deve ficar atento na aquisição do Trinca-ferro? 
CAB - Se é registrado com anilha inviolável do ibama e depois a qualidade também da ave fibra e canto.

TFV - Qual o material mais adequado para construção do ninho?
CAB - Eu uso raiz comprada em lojas especializadas

TFV - Em geral o ninho é construído em torno de quantos dias?
CAB - Depende da fêmea.Eu prefiro ninhos prontos comprados em lojas especializadas.Raiz só pra elas brincar.Eu acostumo assim.

TFV - Como é a alimentação da fêmea no período de incubação?
CAB - Normal .Coloco a mesma alimentação de todo plantel.Frutas, verduras, tenebrios  e um aminoácido na água. Mesmo que ela não saia do ninho o alimento está lá.



TFV - Por quantos dias os filhotes permanecem no ninho?
CAB - De 13 a 15 dias

TFV - A muda de ninho é feita a partir de que idade(meses)?
CAB - Normalmente aos 4 meses em diante.

TFV - Como deve ser o ambiente para reprodução do Trinca-ferro?
CAB - Tranqüilo,sem corrente de vento ou muito quente.

TFV - Quando normalmente você começa e para de criar a cada temporada?
CAB - Normalmente começo em julho e vai até fevereiro.Mas isso pode variar.

TFV - Com quantos dias você  anilha os filhotes?
CAB - Por volta dos 5 dias de vida.
 

TFV - Com quantos dias você aparta os filhotes?
CAB - 35 dias a 40 dias.

TFV - Qual é a alimentação ideal para Trinca-ferro?
CAB - Extruzadas a vontade. Verduras, frutas, legumes ,tenebrio e sementes com moderação.

TFV - Que alimentos devem ser fornecidos as matrizes para alimentar os filhotes?
CAB - Nos primeiros 5 dias alimentos vivos complemento com frutas e verduras depois deste período alimentação normal.

TFV - Você fornece alimentos vivos para os seus pássaros ? (tenébrios, cupins, insetos, etc. ...).
CAB - Sim. Atualmente Tenebrios e também já criei com grilos.

TFV - Você fornece vegetais (verduras, legumes e frutas) para os seus pássaros ?
CAB - Sim. Chicória, espinafre, berinjela, abobrinha verde, pepino, laranja, banana e maçã. Procuro variar dia sim dia não.

TFV - Nos casos de doença você costuma recorrer a assistência veterinária ?
CAB - Eu mesmo trato dos meus pássaros doentes e até filhotes,Mas recomendo a todos o auxilio de um medico veterinário.

TFV - Você mantêm algum programa de medicação preventiva?
CAB - Sim.Todo ano eu dou vermífugo, faço tratamento preventivo  de coccidiose e antes da época da criação preparo minhas matrizes com vitaminas e aminoácidos.

TFV - Quais são as doenças mais comuns na criação?
CAB - Pevite,coccidiose,peito seco,rouquidão,verminose,Etc...Isso em uma criação sem cuidados e com um  manejo inadequado.

TFV - Qual ou quais pássaro(s) mais premiado(s) que você tem ou teve ?
CAB - Te-tes 5 anos adquiri da criação de um amigo no Méier ele ganhou muitos troféus com ele, Brutão adquiri de um amigo de Realengo ele o levava no torneio de Bangu RJ, muito rápido.

TFV - Qual a mensagem que o senhor deixa para os leitores sobre o futuro da criação do Trinca-ferro em ambiente doméstico?
CAB - A criação de trinca ferro em ambiente doméstico hoje na minha opinião está engatinhando aqui no RJ. Com exceção do Criatório Buriti RJ é claro. Mas em outros estados já estão bem mais adiantado.
--
Atenciosamente

Cláudio Alexandre Braz.
CRIATÓRIO JEQUITIBÁ
E-mail: claudioesane@hotmail.com
www.criatoriojequitibatrincaferro.blogspot.com


sexta-feira, 19 de março de 2010

Ibama realizará palestra sobre Sispass em Nova Friburgo/RJ

Nova Friburgo (17/03/2010) – O Ibama de Nova Friburgo/RJ realiza, no dia 14/04, palestra sobre a criação amadora de pássaros silvestres e o Sistema de Passeriformes do Ibama – Sispass. A palestra é para servidores de Órgãos públicos de Proteção ao Meio Ambiente (municipal e estadual), membros do Ministério Público Estadual e Federal, membros das Delegacias de Polícia Civil, OAB/NF, membros das Agendas 21 locais e regional, além de outros interessados. A entrada é franca e as vagas são limitadas. As inscrições podem ser realizadas pelo telefone (22) 2522-3625, das 15h00 às 17h00. A palestra ocorrerá no auditório da OAB 9ª seção Nova Friburgo/RJ. Rua Ernesto Brasílio s/nº (Nos fundos do Antigo Fórum).

O objetivo é esclarecer e informar sobre os detalhes da criação amadora de pássaros silvestres e de construir formas de promover um combate efetivo e integrado da atividade quando ilegal junto a todos os órgãos ambientais e demais membros da sociedade. A criação de pássaros silvestres em gaiolas é regulamentada pela  Instrução Normativa do Ibama nº 01 de 24 de janeiro de 2003. A palestra abordará o que é o Sispass, seu histórico, situação atual, legislação básica e formas de ação de fiscalização.

Tem sido cada vez mais comum encontrar animais silvestres em gaiolas, expostos em logradouros públicos e em estabelecimentos comerciais nos perímetros urbanos. Isso, muitas vezes, não é um procedimento legal e só serve para incentivar a prática da criação de animais silvestres em cativeiro, resultando no aumento dos índices de captura ilegal de pássaros na natureza contribuindo para o tráfico de animais bem como para a extinção de algumas espécies.

Ibama Nova Friburgo/RJ

segunda-feira, 15 de março de 2010

Muda Vitaminada: Certo ou errado?!

Por
Dr. Felipe Bath

Prezados leitores a amigos! Estamos em uma época propícia ao tema daí a nossa escolha. A pergunta do momento é: o que posso fazer quando meu passaro está em muda? A resposta é complexa e vamos tentar discutir alguns pontos.

Quando a ave está nesse período de muda seja de penas ou de bico é uma fase de sensibilidade da ave e é neste momento que uma consulta de rotina com o seu médico veterinário especializado deve ser realizada, juntamente com um exame parasitológico de fezes e até outros mais elaborados como salmonelose e mocoplasmose. É o momento também de descanso dessa ave, principalmente se está for de competição.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Muda de Penas - Cuidados importantes

A substituição de todas as penas das aves é comum em determinada época do ano. É um processo natural de suas vidas, normalmente relacionado a fatores biológicos. Esta substituição ocorre para que a ave possa manter condições ótimas de vôo, com penas novas e perfeitas. No dia a dia, é normal que, por algum motivo, alguma pena venha a cair. Quando isso ocorre, o organismo faz com que nasça outra em seu lugar.

DPA – Distúrbios de Plumagem nas Aves.

O Autor
Dr. Gilson Ferreira Barbosa

Conhecemos a saúde de um pássaro pela sua plumagem, o “DPA” - Distúrbio de Plumagem nas Aves indica desequilíbrio físico e psíquico da sua saúde e do seu comportamento, refletido na plumagem. Acreditamos que não existe doença sem o seu agente causador, logo a plumagem funciona como elemento indicador de que algo estar errado com a ave, e precisamos identificar o agente causador através de diagnóstico rápido e preciso, o que nem sempre é possível de ser feito. No caso específico da AD. Auto Depenação, temos investigado aspectos inadequados de alimentação e manejo bem como a presença de Stress, entretanto a maioria dos casos não se resolveu devido a não identificação do agente causador e a inexistência de medicamentos específicos ao caso, culminando com a morte das aves por terem sido submetidas a tratamentos agressivos e experimentais. Não gostaria de dizer “NÃO TEM JEITO”, todavia, relacionarei alguns aspectos tratados por nós com relativo sucesso em nossa criação mediante monitorização de Médico Veterinário especializado:


sábado, 6 de março de 2010

Amadores preservam pássaros silvestres

Pássaro Bicudo.
Os criadores de pássaros no Ceará realizam trabalho de referência no País na preservação das aves

Fortaleza Se depender dos criadores autorizados pelo Ibama, as aves das espécies Curió, Bicudo e Caboclinho estão preservadas por muitas décadas. Isto porque estes pássaros, quando criados em cativeiro, respeitando todas as condições de bem-estar animal, vivem por 40 anos ou mais. Nas florestas e matas, devido aos predadores naturais e à crescente degradação ambiental, com desmatamentos e queimadas, eles só conseguem sobreviver por 5 a 8 anos. No Estado, um dos principais protetores dessas aves são os filiados da Associação Ornitológica do Ceará (AOC). A entidade atua desde 1976 e conta com cerca de 130 associados. A grande maioria em Fortaleza, mas também em cidades como Horizonte, Pindoretama, São Benedito e Eusébio.

O presidente da AOC, Dalber Landim, diz que além da preservação das espécies, o principal motivo que mobiliza os criadores é também preservar a beleza do canto dessas aves. São cerca de quatro torneios por ano com provas de classificação dos melhores cantos de Curió, Bicudo e Caboclinho. Os eventos são autorizados pelo Ibama, mediante solicitação da Associação. Todos são pássaros anilhados. Ainda filhotes, as aves recebem as anilhas no pé, com informações sobre ano de nascimento, número de identificação junto ao Ibama e Estado de origem. O trabalho é eficaz no combate ao tráfico das espécies. "A anilha garante que o pássaro não é resultado do tráfico, um crime ambiental", afirma Landim.

O Ibama classifica os criatórios de aves em dois tipos: comercial, com estrutura maior, veterinário responsável e número ilimitado de unidades de aves; e amador, onde o criador pode movimentar até 50 aves por ano, podendo se cadastrar no Sispass (Gestão de Criadores de Passeriformes Silvestres), pela internet, no site do Ibama, depois que do pagamento de taxa. A Licença do Criador Amadorista de Passeriformes da Fauna Silvestre Brasileira segue as normas da Instrução Normativa 01/03.

Segundo Dalber Landim, a Associação reúne apenas os criadores amadores, que seguem rigorosamente as determinações do Ibama para a atividade. Ele explica que a criação começa com a aquisição do filhote com 45 a 50 dias junto aos criatórios cadastrados. O manejo é simples. Segue uma combinação de cuidados com boa alimentação, higienização, vermifugação e administração de vitaminas e suplementos alimentares.

A nutrição ocorre por meio de ração balanceada à base de sementes de alpiste, painço, senha, perila etc. O cardápio inclui ainda minerais, com ingestão de areia, cálcio e carvão, uma mistura já comprada pronta que facilita o processamento do alimento na moela da ave, diante da ausência de dentes para a mastigação.

Criar aves para serem cantoras em torneios é uma arte que exige amor e dedicação. Conforme explica Luís Paiva, diretor da AOC para o canto de Bicudo, assim como os cantores humanos, os pássaros têm voz e estilo próprios de interpretação. Para isto, eles são "ensinados" a entoar a melodia de forma cada vez mais harmoniosa. "O ensinamento busca cada vez mais a qualidade do canto", afirma. O chamado trabalho de encarte do canto, que é quando o pássaro passa a aprender a melodia, destaca notas musicais que a ave já entoa no ambiente natural. Porém, o canto encartado não é 100% natural.

"No ambiente natural, as aves têm cantos próprios, semelhantes aos das espécies criadas em cativeiro. A diferença é que as notas consideradas mais bonitas pelo ouvido humano são mais destacadas no canto encartado", explica ele. A dedicação dos criadores revela-se no processo de ensinamento, que pode acontecer por duas formas: por meio de instrutores, quando a ave ainda filhote ouve pássaros adultos que já cantam com perfeição; ou por meio de CDs, com cantos de instrutores.

O processo já começa com poucos dias de nascimento da ave. Quando o criador adquire a ave já há um processo iniciado de encarte. Quando o pássaro já consegue emitir o canto completo, torna-se apto a participar dos torneios. Há aves precoces, que já conseguem cantar com perfeição aos 60 dias de nascidas. Porém, segundo Paiva, na média, isto só ocorre a partir dos 6 meses de vida.

Ele afirma que, para cada modalidade de canto, existe um conjunto de notas a ser emitido. Isto determina os critérios de classificação em um torneio. Para um Curió, por exemplo, a melodia tem notas musicais que, "traduzidas" à linguagem humana, equivale ao som "vo, vo, vim, vim, teo, teo, teo, teo, pom, pom". Esse canto é regionalizado para todo o Nordeste. É definido como canto Goiana, nome de uma cidade pernambucana, onde originou-se a modalidade. Para as espécies Curió e Caboclinho, as melodias são regionalizadas, diferente do Bicudo, que segue um padrão válido em todo o País.

É interessante perceber que cada pássaro tem seu estilo próprio de interpretação. Alguns são mais agudos, ou graves, lentos, mais ligeiros, ou apresentam tons mais metalizados, aveludados, flauteados ou secos. O Bicudo "Beira-Mar", do criatório de Paulo e Luís Paiva, conseguiu se classificar em segundo lugar na prova de Canto Goiano Clássico do Torneio Nacional de Ribeirão Preto. O evento é considerado o maior do País na modalidade. Uma ave campeã chega a ser cotada por R$ 35 mil.

Também existe um tipo de torneio no qual avalia-se a disposição da ave para cantar no tempo determinado para a competição. É o chamado torneio de fibra, que classifica o pássaro que mais cantar no tempo da prova. "Aqui não interessa a qualidade do canto, mas a disposição da ave, o seu desempenho no tempo determinado", observa Paiva.

A AOC promove periodicamente eventos para os criadores, com cursos e palestras sobre como melhor cuidar das aves e ainda como treiná-las para a atividade de canto. O intercâmbio possibilita uma padronização nos criatórios, com vista à preservação das espécies.

MANEJO
Criatórios mantêm espécies variadas

Fortaleza
A Associação Ornitológica do Ceará (AOC) também reúne criadores de outras espécies de aves, como Sabiá, Galo de Campina, Cardeal, Trinca-Ferro, Azulão e Coleirinha. Todas são reproduzidas em cativeiro, sob a autorização do Ibama. Conforme o diretor de canto de curió da AOC, Marcos Martins, criador da espécie há 43 anos, o tráfico de pássaros é a terceira maior fonte de renda ilegal no País. Assim, ele avalia que uma das formas mais eficazes para combater este crime é a criação das espécies em cativeiro, observando as condições de bem-estar animal.

As aves de cativeiro não ficam somente numa pequena gaiola. Os criatórios dispõem de voadeiras, de até dois metros, onde os pássaros podem exercitar a necessidade de voo. O diretor da AOC, Luiz Paiva, explica que as gaiolas são utilizadas mais nos momentos dos passeios, nos encontros de criadores. Os pássaros apreciam o convívio no ambiente natural, ensolarado, ventilado e arborizado, expressando a satisfação por meio do canto. Essa manifestação de bem-estar é observada facilmente nos encontros semanais que o grupo de criadores faz nas manhãs de sábado, no parque de exposições da Secretaria do Desenvolvimento Agrário, em Fortaleza.

"O pássaro expressa o seu bem-estar pelo canto e pela capacidade de reprodução. Se ele está triste ou doente, não canta nem reproduz", diz Paiva. Segundo ele, nos criatórios o que mais se observa são os dois primeiros comportamentos. Há casos de pássaros em cativeiro que continuam em plena atividade de cantar e de se reproduzir por 30 anos. "Com zelo e ambiente adequado, a vida útil da ave é muito longa", destaca Martins.

Conforme Paiva, assim como os cães ou gatos, os pássaros reproduzidos em cativeiro também já têm o ambiente humano como o natural. Se forem soltos na natureza não conseguem sobreviver por dois dias. de acordo com o presidente da Associação, Dalber Landim, muitas espécies de aves, bem como de outros animais, só estão preservadas devido a reprodução em cativeiro.

Motivação
"Preservar a beleza do canto desses pássaros nos motiva a manter os criatórios"

DALBER LANDIM
Presidente da Associação Ornitológica do Ceará (AOC)

"O pássaro expressa o seu bem-estar pelo canto e pela capacidade de reprodução"

Luís Paiva
Diretor de canto
de Bicudo da AOC

"Crio pássaros há 43 anos porque tenho embasamento legal para a atividade"

Marcos Martins
Diretor de canto de Curió da AOC

MAIS INFORMAÇÕES
Associação Ornitológica do Ceará, Dalber Landim: (85) 9987.8675; Luis Paiva: (85) 8899.8421; Marcos Martins: (85) 8802.3586

Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=745597