domingo, 12 de agosto de 2012

Micoplasmose em Aves: Picada de mosquito e batedeira

Por
Dr. Felipe Victório de Castro Bath

Prezados leitores a amigos! Já deixo o meu salve salve logo de cara hoje. Estão todos convidados a assistirem todos os sábados a noite no canal NGT o programa Criando e Preservando com Carlos Portugal. Muito bacana o programa e eu também estarei la dando algumas dicas no quadro Perguntas e Respostas. Trago hoje de maneira singela um assunto bem problemático que é a micoplasmose. Hoje confesso que o tema é bem elaborado. Poucos conhecem; alguns já ouviram falar e raros sabem o que é. Por isso desejo a todos um ótimo mês e uma boa leitura. 

Primeiro vamos nos situar do que é um Mycoplasma. Não é uma bactéria, nem fungo e nem vírus. O nome dele já diz ele é um Mycoplasma mesmo. São extremamente pequenos e resistentes. Temos hoje quase 20 espécies de origem aviaria, mas apenas 3 espécies possuem potencial patogênico.

Os sinais clínicos dependem normalmente da espécie de micoplasma em questão. Se for a Mycoplasma Synoviae as lesões são quase sempre em articulações das patas. O agente tem predileção por essas articulações pois são as mais usadas. E aí vem uma questão erroneamente divulgada de que as lesões nas patas de canários são por picada de mosquito. Isso não existe! Lesão articular em aves provavelmente deve ser por micoplasmose. Nunca vi uma ave ser picada por mosquito. Mas você ouvi dizer isso 50 anos e que passando pomada melhora.. eu sei que melhora, mas não combateu a causa e quando tiver outra baixa imunológica a lesão voltara e dessa vez pior. 
Outro quadro clínico envolve uma problemática respiratória e com o passar do tempo a ave pode ficar sequelada e favorecer o surgimento de uma síndrome chamada DRC (Doença Respiratória Crônica). A Mycoplasma possui uma interação muito forte com as células respiratórias e em conjunto com alguma infecção bacteriana essa interação pode ser fatal. Aí vemos um grande problema de nossas aves que normalmente é a bateção de bico das aves. Essa ´´batedeira´´ na verdade é pela dificuldade respiratória não necessariamente por Mycoplasma, mas quase sempre envolvida. 

A dificuldade na recuperação da ave se da pelo fato da prostação ser maior; quase não come ou bebe agua diferente das lesões articulares que no máximo que acontece no inicio é a ave levantar o pé. Então por isso vem a óbito muitas aves acometidas na respiração. 

A micoplasmose ainda pode levar a um quadro de infertilidade, sendo uma das causas bem comuns em galadores que não enche ovo ou fêmeas que colcocam apenas um ovo ou com alguma alteração. Logicamente os sinais são comuns a outras patologias como salmonelose por exemplo. Daí a importância de um diagnostico e tratamento correto. 

Nas calopsitas e papagaios o que mais ouvimos hoje é que a ave esta resfriada.. quando ouço isso da ate um desanimo. Ave não fica resfriada! Provavelmente ou deve ter micoplasmose ou pior ainda clamidiose. Por isso levem as suas aves a um veterinário especializado e poupem dinheiro e sofrimento para seu animal. 

O diagnostico a principio é a parte mais simples. É feito por PCR normalmente utilizando as fezes das aves, mas outra via pode ser utilizada como secreção nasal por exemplo. O ideal é que o veterinário que te acompanha faça a coleta e encaminhe para o laboratório em questão. Hoje alguns laboratórios o fazem com grande sucesso e precisão. Alguns deles anunciantes e parceiros de nossa Revista. Com os resultados em mãos é hora do tratamento. 

O tratamento de eleição envolvem medicamentos a base de tilosina. Existem inúmeros no mercado. Logico que devemos associar normalmente a algum antibiótico e demais remédios compatível com o quadro ou visando aumentar a imunidade da ave. O interessante é que na minha concepção e de alguns outros colegas micoplasmose não possui cura apenas um controle que quando bem feito rotineiramente a ave fica ótima. Outros acreditam que há cura, mas o fato do agente não estar sendo eliminado naquele momento do exame não quer dizer que a ave esta curada. 

Um controle e um manejo integrado dentro do plantel. Realização de exames rotineiros. Boas condições higiênico-sanitárias devem fazer parte de qualquer pessoa que possui ave. Me despeço por aqui e deixo uma reflexão: "Obstáculos são aquelas coisas assustadoras que você vê quando desvia seus olhos de sua meta. (Henry Ford)". Forte abraço e até a próxima! 



Teve alguma dúvida?! Então deixe um comentário!


Dr. Felipe Victório de Castro Bath
Médico Veterinário CRMV-RJ 8772
Especialista em Biologia, Manejo e Medicina da Conservação dos Animais Selvagens SENAC/RioZOO
Mestre em Microbiologia Veterinária pela UFRRJ

Tel.: (21)81014122/ (21)78795270
ID.:10*96860 / (21)22786652
felipebath@hotmail.com / www.niaas.com.br
Rua Dona Zulmira, 11 Maracana Rio de Janeiro – RJ  CEP.: 20550-160 

Um comentário :

  1. ESTE PROBLEMA PODE OCORRER EM QUALQUER AVE OS MEUS SÃO TRINCA FERRO DE GAIOLA, AINDA NÃO ME APRESENTARAM NENHUM TIPO DE DOENÇA. MAIS ME ENFORME UMA COISA ESSA DOENÇA É PROVENIENTE DE QUE? COMO EVITAR?

    ResponderExcluir