quarta-feira, 13 de abril de 2011

Números Alarmantes

Por
Gilson Ferreira Barbosa


Acreditamos que os números foram criados para exprimir a necessidade do homem em quantificar os atos de sua vida. A matemática os define como sendo: Entidade abstrata que corresponde a um aspecto ou a uma característica mensurável de algo (quantidade, grandeza, intensidade, etc.) e que é matematicamente definida como conjunto de todos os conjuntos equivalentes a um conjunto dado: 
  • Ex: 2 é um número par;
  • Ex: 3 é um número primo;
  • Ex: π pi  é um número transcendente etc.
Agora temos os números ditos “Alarmantes”, estes se prestam a vários interesses, inclusive o de não expressarem com exatidão (finalidade para os quais foram criados) os atos de alguns homens, estes números, buscam majorar em escala astronômica a ação de outros homens. Neste caso os números são ditos “Astronômicos” como também astronômicos é a grandeza da sua inexatidão, se prestam a justificar a captação de recursos na área Ambiental “Proteção da Fauna” porá manter organismos voltados a suprir a incapacidade oficial de solucionar o problema.  

A magnitude astronômica destes números, atenta inclusive contra a nossa capacidade de compreensão. A inexaditão dos mesmos, não resiste inclusive a mais simples investigação matemática. Vejamos:

A conceituada revista técnica CONSELHO FEDERAL de MEDICINA VETERINÁRIA em seu N° 28/29 de Janeiro a Agosto de 2003 traz em manchetes de capa, duas reportagens dedicadas aos animais. A primeira denominadas “Bem-estar Animal” e a segunda “A importância da perícia na elucidação dos crimes contra a fauna” . Esta de autoria do Médico Veterinário Marcos Alexandre Oliveira (Perito Criminal Federal do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal - Brasília). Pois bem:
Na segunda reportagem na coluna intitulada Os “Números”  Afirma-se: 

“Negócio lucrativo, movimentando anualmente, em todo mundo, cerca de vinte bilhões de dólares, sendo que o Brasil participa deste mercado ilícito com uma quantia que varia de um bilhão e meio a dois bilhões de dólares por ano, representado em sua grande maioria por animais da classe das aves”.   

“O Brasil é cotado como um dos maiores fornecedores de animais silvestres para o restante do mundo, retirando a cada ano cerca de quinze milhões de vidas de seu habitat natural, sendo que de cada dez animais capturados, somente um chega vivo ao consumidor. São números alarmantes e que, mesmo assim, continuam crescendo”. 

Vejamos:

Se o Tráfico fatura U$ 2 000 000 000  (Dois bilhões de dólares)  ano e retira da natureza 
15 000 000 (Quinze milhões) de animais ano e destes apenas sobrevivem 10 % teremos:

10%  de 15. 000 000  =  1 500 000 (Dez % de quinze milhões é um milhão e quintos mil)

Logo:

U$ 2 000 000 000 (Dois bilhões de dólares) é o pagamento que o Tráfico recebe segundo os números apresentados pela reportagem em questão logo:

U$ 2 000 000 000 (dois bilhões de dólares)  dividido por  1 500 000 (Um milhão e quinhentos mil) animais logo o Tráfico teria uma remuneração pela venda de cada animal de algo em torno de U$ 1. 333,333 dólares.

Pergunto:

Se o Tráfico recebe em média R$ 4.000,00 (Quatro mil Reais) por pássaro (Dólar a 3 Reais) porque não compram os nossos Curiós, Canários da Terra, Bicudos, Trinca-Ferros, Coleiros etc. legalizados pelo Ibama a R$ 1.500,00 (mil e quinhentos Reais)????

Os nossos representantes precisam divulgar urgentemente os nossos números. Precisamos informar a Sociedade o número de filhotes das mais diversas espécies que reproduzimos e colocamos por ano no mercado. De forma Legal é claro.

Os nossos números terão comprovação e esta “Falácia” cairá por terra.

Quando se fizer um trabalho sério a respeito dos nossos números a coisa irá mudar.

Nenhum comentário :

Postar um comentário